Saúde Mental│Setembro Amarelo: Prevenção do Suicídio

Afinal o que é o suicídio? 

É o ato intencional de matar a si mesmo. Os fatores de risco incluem perturbações mentais ou psicológicas como depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia ou abuso de drogas, incluindo alcoolismo e abuso de benzodiazepinas (sedativos). 

É um fenômeno complexo e de múltiplas determinações, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero. Porem pode sim ser prevenido. Saber reconhecer os sinais de alerta em si mesmo ou em alguém conhecido por você pode ser o primeiro e mais importante passo. Por isso, fique atento se a pessoa demonstra comportamento suicida e procure ajudá-la. 

Porque ocorre o suicídio? 

Outros suicídios resultam de atos impulsivos devido ao estresse, dificuldades econômicas, problemas de relacionamento ou bullying na escola. As pessoas com antecedentes de tentativas anteriores estão em maior risco de realizar novas maneiras de se suicidar. As medidas de prevenção passam pela restrição do acesso a métodos de suicídio, como armas de fogo, drogas ou venenos, pelo tratamento de perturbações mentais e da toxicodependência, por noticiar de forma correta os casos na imprensa e pela melhoria das condições econômicas da população. Embora seja comum a existência de linhas telefônicas de prevenção, não existem dados suficientes que comprovem a sua eficiência. 

Os indivíduos com pensamentos suicidas podem se isolar, não atendendo a telefonemas, não interagindo nas redes sociais, ficando em casa ou trancadas em seus quartos, reduzindo ou cancelando todas as atividades, principalmente aquelas que costumavam e gostavam de fazer. 

Frases de Alerta, sinais e intenções suicidas

Muitas das vezes esses alertas são ignorados, porem podem ser gestos, palavras e atitudes que levam a pessoa reconhecer no outro uma atitude suicida: 
  • "Vou desaparecer.” 
  • “Vou deixar vocês em paz.” 
  • “Eu queria poder dormir e nunca mais acordar.” 
  • “É inútil tentar fazer algo para mudar, eu só quero me matar.” 

Os sinais de alerta descritos acima não devem ser considerados isoladamente. Não há uma “receita” para detectar quando uma pessoa está vivenciando uma crise, nem se tem algum tipo de tendência suicida. Entretanto, um indivíduo em sofrimento pode dar alguns sinais, que devem chamar a atenção de seus familiares e amigos mais próximos, até mesmo se muitos desses sinais se manifestem ao mesmo tempo. Essas manifestações não devem ser interpretadas como ameaças nem como chantagens emocionais, mas sim como avisos de alerta para um risco grave e real. 

Quando você pede ajuda, você tem o direito de: 

• Ser respeitado e levado a sério; 
• Ter o seu sofrimento levado em consideração; 
• Falar em privacidade com as pessoas sobre você mesmo e sua situação; 
• Ser escutado; 
• Ser encorajado a se recuperar. 

O que fazer diante de uma pessoa sob risco de suicídio? 

• Encontre um momento apropriado e um lugar calmo para falar sobre suicídio com essa pessoa. Deixe-a saber que você está lá para ouvi-la, escute atentamente e esteja com a mente aberta e ofereça seu apoio. 
• Incentive a pessoa a procurar ajuda de profissionais de serviços de saúde ou de saúde mental, de emergência ou apoio em algum serviço público. Ofereça-se para acompanhá-la a um atendimento.
• Se você acha que essa pessoa está em perigo imediato, não a deixe sozinha. Procure ajuda de profissionais de serviços de saúde, de emergência e entre em contato com alguém de confiança, indicado pela própria pessoa. 
• Se a pessoa com quem você está preocupado (a) vive com você, assegure-se de que ele (a) não tenha acesso a meios perigosos para provocar a própria morte (por exemplo, pesticidas, armas de fogo ou remédios) em casa. 
• Fique em contato constante para acompanhar como a pessoa está passando e o que está fazendo. 

Onde buscar ajuda em casos de urgência? 

CAPS e Unidades Básicas de Saúde (Saúde da família, Postos e Centros de Saúde). 

UPA 24H, SAMU 192, Pronto Socorro; Hospitais etc.

Centro de Valorização da Vida – CVV 

O CVV realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, e-mail, chat e voip 24 horas todos os dias. 

A ligação, por meio do número 188, é gratuita a partir de qualquer linha telefônica fixa ou celular. 

O que é o setembro Amarelo? 

O setembro Amarelo é uma campanha de prevenção ao suicídio que visa à conscientização da população sobre esse grave problema e formas de evitá-lo. 

É o mês em que é realizada a campanha de conscientização, sendo o dia 10 desse mês o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Essa campanha, conhecida como “Setembro Amarelo”, foi criada no Brasil, em 2015, pelo CVV, Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Essa é uma campanha de extrema importância, uma vez que o suicídio é um problema grave de saúde pública e que, muitas vezes, pode ser evitado. 

Apesar de o assunto ser delicado, é importante conversamos sobre este assunto e maneiras como preveni-lo. Muitas pessoas pensam que esse ato é uma realidade distante e que afeta poucas pessoas, ou não é relevante, mas, infelizmente, os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram o contrário. De acordo com a OMS, a cada 40 segundos, uma pessoa se mata em algum lugar do nosso planeta. Isso significa que, em um ano, mais de 800 mil pessoas perdem sua vida desta maneira. Por este caso devemos dar relevância a este assunto e procurar ajudar.


Colaboração de: Paola Alves Pinto
Amo conhecer pessoas e ajuda-las. Amante da psicologia e como a mesma pode mudar vidas."   

Formada em Psicologia (CRP: 5/53273), Pós-Graduada em Gestão Estratégica de Pessoas e Pós-graduanda em Saúde Mental e Atenção Psicossocial

Contatos: Facebook: paola.alves.750 /  Instagram: @psipaolaalves /  Tel: 21 967276568

Comentários