"Tá no Ar" e os Conservadores

O programa Global "Ta no Ar" voltou e, com ele, também as provocações e sátiras a tudo e a todos. De cara fomos apresentado ao "Walking Back"[Andas Para Trás, em tradução livre], uma paródia da série “The Walking Dead”.

Os roteiristas Marcius Melhem, Marcelo Adnet e Maurício Farias, dizem que o objetivo é “chamar a atenção do público para temáticas atuais por meio do riso”. Contudo, pelas primeiras cenas, fica claro que se trata de propaganda ideológica disfarçada.

Vimos zumbis segurando placas com dizeres contra a liberação do aborto, “Off Comunism” e “Fora Feminazi”. Tópicos comuns para os conservadores, sobretudo nas redes sociais. Com isso, a associação de temas conservadores com um suposto retrocesso não é coincidência, uma vez que Adnet é conhecido por uma postura que tende para a esquerda.

Quando os “mortos-vivos” caminham em direção aos “sobreviventes”, liderados pelo personagem de Melhem, ele diz: “se eles avançarem, nós vamos ter que andar pra trás”. Um grupo desses zumbis é identificado como membros da “bancada religiosa”. No final, uma colagem de manchetes de jornais e imagens de filmes antigos, associam os conservadores com a Ku Klux Klan, com ‘emissários dos EUA’ e defendendo a mostra do QueerMuseu. No final do esquete ouve-se a frase “Ressuscitando ideias que estavam enterradas”.

Durante a coletiva à imprensa para falar do lançamento da quinta temporada, Melhem afirmou que estão sempre atento à questão da intolerância, religiosa, sexual, ou de qualquer ordem. E que tentam traduzir isso pela luz do humor e chamar a atenção das pessoas.

"Ta no Ar" assim como "Zorra" optaram por um humor mais centrado na oposição aos valores cristãos e ao lado conservador da sociedade. Em edições passadas, mostraram um desenho animado chamado “Galinha Convertidinha“, que zombava das pessoas que tiveram mudança de vida após se converterem. Na época, um deputado chegou a abrir uma representação no Ministério Público contra o humorístico, alegando que ele promovia “intolerância religiosa”. Adnet e Mellhem também já colocaram um travesti lendo história bíblica para crianças e repetidas vezes fizeram esquetes ridicularizando os pastores e os fiéis de igrejas evangélicas.

Com informações de UOL e Gospel Prime
O vídeo pode ser assistido na íntegra AQUI

Comentários