O dilema da Juventus: Han Kwang

Como um dos jovens mais promissores do futebol Italiano, o atacante Han Kwang (Cagliari), tem um futuro brilhante a sua frente. Tendo sido revelado na temporada passada na Serie A, ele se destacou durante um período de empréstimo ao Perugia e atraiu o interesse da Juventus.

O jogador, de 19 anos, já disputou dois jogos por sua seleção, a Coréia do Norte. O líder do país, Kim Jong-un, quer que a nação Coreana se torne uma força no futebol e vê nele uma peça fundamental para os seus planos. No jovem ele coloca as esperanças de chegar ao topo do futebol mundial.

Nascido na capital Pyongyang, o jovem já despertava a atenção desde cedo e foi enviado para uma academia de futebol em Barcelona com apenas 13 anos. Retornando à Coréia para o FC Chobyong antes de impressionar na Copa do Mundo Sub-17 de 2015 no Chile.

O senador italiano Antonio Razzi, amigo de Kim Jong-un, o convidou para participar da prestigiada Academia ISM na Itália. Após uma avaliação bem sucedida entrou para o time profissional do Cagliari e tornou-se o primeiro norte-coreano a marcar na Serie A.

Mas há uma nuvem política sobre Han que ameaça sua carreira antes mesmo de decolar. Depois de marcar três gols na abertura da temporada da Serie B para o Perugia, o jogador foi convidado para o popular programa esportivo La Domenica Sportiva, com o público italiano interessado em saber mais sobre a jovem sensação do futebol italiano. Mas, poucas horas antes de dirigir-se ao estúdio em Milão, recebeu uma ligação diretamente da Coréia do Norte que exigia o cancelamento de sua participação.

"Uma ligação de uma figura do ministério, não muito clara, chegou e bloqueou tudo. A negociação foi impossível porque Pyongyang (capital da Coréia) quer conversar apenas e exclusivamente com Han. A situação com seu governo tornou-se ainda mais rígida e seus jogadores foram proibidos de aparecer na TV, caso contrário, eles o teriam repatriado. Ele está com medo". disse o presidente do Perugia, Massimiliano Santopadre, a La Stampa.

Também foram levantadas questões sérias sobre se o Cagliari deveria pagar os salários do jogador, uma vez que grande parte dele tería sido enviado de volta para sua terra natal. As leis da Coréia do Norte determinam que os vencimentos de qualquer cidadão que trabalhe no exterior pertence ao governo. Portanto, ao pagar os salários, o clube estaria indiretamente financiando um estado inimigo.

Apenas no ano passado, a Itália tornou-se o quinto país a expulsar um embaixador norte-coreano devido a testes de armas nucleares. O clube insiste que o salário de Han é pago diretamente a ele, mas afirmam que não podem explicar o que o jogador faz com ele após o recebimento. Se a Juventus assinar com Han e dobrar ou agilizar seus salários, a questão se tornará ainda mais forte.

A Fiorentina, por sua vez, foi forçada a retirar sua oferta para a estrela norte-coreana Choe Song-hyok no ano passado, após acusações de que eles estariam financiando o programa de armas nucleares do governo autoritário pagando seus vencimentos. Depois que o clube desistiu da contratação de Choe, o atacante assinou com o Perugia, onde agora compartilha o vestiário com seu compatriota Han.

Para Cagliari e Juventus, a saga de Choe representa uma lembrança do campo minado político envolvido ao assinar com um atleta norte-coreano.

A Coréia do Norte causou um dos momentos mais humilhantes da história do futebol italiano quando derrubaram a Azzurra na  Copa do Mundo de 1966 com uma vitória por 1-0, graças ao gol de Pak Doo-ik no Ayresome Park.  Mais de 50 anos depois outro norte-coreano ameaça infligir novos constrangimentos à Itália.

Via: Dailymail

Comentários