Saúde Mental│Fobia: Você é mais forte que seu medo!

A fobia é um medo irracional, exagerado e persistente de um determinado objeto, animal, atividade ou situação que represente pouco ou nenhum perigo real, mas que, mesmo assim, provoca ansiedade extrema. 

Fobia não é uma doença ou transtorno em si, porem pode ser um sintoma de outra causa subjacente, geralmente advindo de um transtorno mental (depressão, ansiedade etc.). O medo sentido por pessoas que têm fobia é completamente diferente da ansiedade que é natural dos seres humanos quando não extrema e generalizada. O medo, por si só, é uma reação psicológica e fisiológica que surge em resposta a uma ameaça ou situação de alerta e perigo. Já a fobia não segue uma lógica, e a ansiedade nesses casos é incoerente com o perigo real que aquilo representa. 

A fobia costuma durar por muito tempo, provoca intensas reações físicas e psicológicas e pode comprometer profundamente a qualidade de vida de quem a tem. 

Pode se desenvolver na infância ou na adolescência, não tem uma idade certa aparentemente, assim como um evento traumático ao longo da vida pode levar a fobia posteriormente ou não. 

TIPOS DE FOBIAS: 

O número de fobias é muito extenso e o Manual Diagnostico e Estatístico de transtornos mentais (DSM) classifica 500 exemplos que são divididas em 5 tipos: 

• Fobia de animais; 
• Fobias de aspectos do ambiente natural (trovoadas, enchentes, terremotos) 
• Fobias a sangue, injeções e ou feridas; 
• Fobias a situações mais especificas (altura, andar de avião, andar de elevador) 
• Fobias sem classificação especifica (medo de vomitar, de contrair uma doença, medo do escuro, de casar, ou ficar solteiro, entre outros). 

TIPOS DE FOBIAS MAIS CONHECIDOS

• Fobia social: medo da exposição e de pessoas. 
• Agorafobia: medo de espaços abertos e com multidões; 
• Claustrofobia: medo de lugares fechados; 
• Glossofobia: medo de falar em público; 
• Tanafobia: medo da morte. 

Sintomas: 

Os sintomas e os sinais vão depender muito do tipo de fobia que você tem. No entanto, independentemente do tipo, algumas características são notadas em todos os indivíduos que apresentam esse transtorno: 

• Sentimento de pânico incontrolável, terror ou temor em relação a uma situação de pouco ou nenhum perigo real; 
• Sensação de que você deve fazer todo o possível para fugir ou evitar uma situação, algo ou alguém que você teme; 
• Incapacidade de levar sua vida normalmente por causa de um medo ilógico; 
• Presença e aparecimento de algumas reações físicas e psicológicas, como sudorese, taquicardia, dificuldade para respirar, sensação de pânico e ansiedade intensos, etc; 
• Saber que o medo que sente é irracional e exagerado, mas mesmo assim não ter capacidade para controlá-lo. 

É possível superar uma Fobia? 

Sim é possível e para supera-la e entender qual tipo de fobia você tem é preciso entender o que é o medo. Sentir medo é natural e saudável, afinal, ele costuma nos proteger de algum tipo de perigo e nos afasta de situações em que nos sentimos ameaçados. Em excesso, pode atrapalhar a vida de q
ualquer pessoa. Quem sente medo evita a qualquer custo o contato com o objeto fóbico( o que lhe traz medo) e com isso, certas situações ficam fora da rotina da vida da pessoa. Além disso, o contato com os outros até familiares também pode ser prejudicado. 

Pessoas tem medo de coisas que não estão presentes no dia a dia como por exemplo ter medo de cobras e aranhas, e podem perfeitamente ignora-las. 

Já outras fobias, no entanto, como fobia de dirigir, podem chegar a ser um problema hoje em dia ou mesmo de voar em aviões, se você tiver que viajar frequentemente a trabalho. Sendo importante trabalhar a ansiedade que alguns estímulos inofensivos nos causam, produzindo assim comportamentos que evitam a situação que alimenta o pânico.

A ansiedade é a emoção que aparece quando temos uma fobia. Por isso, antes de tudo, devemos aprender a diminuir sua intensidade quando aparece. Com esse foco, podemos nos informar sobre o que nos provoca medo. Nos informando, perceberemos que as ocasiões que produzem a ansiedade são baseadas em crenças irreais, e que podemos desconstruí-las e fazer com que a fobia desapareça. Do mesmo modo, será benéfico adquirir habilidades para manejar a situação temida. 

Sendo assim procurando ajuda necessária para entender seus medos você entendera e enfrentara o objeto fóbico. 

Tratamento ou Prevenção: 

Médico especializado como o psiquiatra ou psicólogo entendem mais do assunto que as outras especialidades, para receitar o remédio correto e o psicólogo auxiliar no entendimento da queixa, seus medos e receios, para ajudá-lo a achar um melhor caminho.

Somente um especialista pode dizer qual o melhor medicamento para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento ou psicoterapia. Siga as orientações do seu médico e não se automedique. 

Para ser diagnosticada com uma fobia, uma pessoa deve se enquadrar em determinados critérios presentes no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, publicado pela Associação Americana de Psiquiatria. Este manual é usado por diversos especialistas de saúde mental para diagnosticar condições psiquiátricas e psicológicas. Os critérios de diagnóstico variam muito de acordo com o tipo de fobia. 

A abordagem cognitiva comportamental (TCC) se ocupa do tratamento clínico dessas fobias, muitas vezes associando o trabalho a encaminhamento a profissionais da área da saúde mental que possam ser responsáveis por medicar esses pacientes durante o período de atendimento em psicoterapia. São utilizadas técnicas mistas para cada caso e avaliada a melhor forma de atuação clínica que possa gerar efetividade e redução do tempo de atendimento.

Colaboração de: Paola Alves Pinto
Amo conhecer pessoas e ajuda-las. Amante da psicologia e como a mesma pode mudar vidas."   

Formada em Psicologia (CRP: 5/53273), Pós-Graduada em Gestão Estratégica de Pessoas e Pós-graduanda em Saúde Mental e Atenção Psicossocial

Contatos: Facebook: paola.alves.750 /  Instagram: @psipaolaalves /  Tel: 21 967276568

Comentários